• Paraíso17

Próximo de disputar reeleição, Azambuja ainda acumula promessas de campanha

Em Nova Andradina, pavimentação da MS-473 reforça lista de juramentos
Da Redação / Imagens: Jornal da Nova/Arquivo/1-7-2016
12/04/2017 11h00
Governador Reinaldo Azambuja (PSDB) / Imagens: Jornal da Nova/Arquivo/1-7-2016

Cotado pelo PSDB para disputar a reeleição no ano que vem, o governador Reinaldo Azambuja ainda acumula promessas da campanha de 2014. Entre elas estão a pavimentação da rodovia MS-473, em Nova Andradina, a redução do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) entre outros. Rodovias sem manutenção e a falta de polícias militares em todo o Estado também reforçam o desgaste.

 

Além de não diminuir tributos como o ICMS, na gestão tucana essas taxas foram elevadas, a exemplo da alíquota para o pagamento do Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores (IPVA), que subiu de 2,5% para 3,5%. Na prática, o proprietário de um carro de passeio avaliado em R$ 40 mil pagaria, por exemplo, R$ 1 mil de IPVA, agora, o valor é de R$ 1.400, mas varia de acordo com a avaliação do veículo no ano. 

 

O caso do ICMS, uma das tônicas de campanha, é o mais gritante. Depois de defender a redução do imposto "que onerava a folha das empresas e estagnava o Estado", Reinaldo Azambuja elevou a alíquota em 17,65% em determinadas mercadorias e aumentou o Imposto Sobre a Transmissão Causa Mortis e Doação (ITCD), que pode chegar a 300%. 

 

Também durante o pleito, o tucano prometeu baixar o ICMS do óleo diesel. A promessa foi cumprida por um curto espaço de tempo, pois, meses depois de reduzir o imposto, a alíquota não só foi restabelecida como saltou para 17%. 

 

Reinaldo Azambuja está no início de seu terceiro ano à frente do Governo do Estado e, até agora, o aumento do efetivo da polícia militar, para garantir mais segurança à população, também está só no papel. 

 

Em dois anos e quatro meses, o chefe do Executivo estadual não conseguiu promover um concurso sequer. Em fevereiro deste ano, chegou a anunciar que haveria processo seletivo, mas, até o momento, nada foi feito. 

 

Por outro lado, logo no começo desta semana, Azambuja anunciou concurso para o preenchimento de vagas na Polícia Civil, assegurando, diferentemente da Polícia Militar, que o edital seria divulgado nos próximos dias, mas, até o fechamento desta matéria, nada foi veiculado pela assessoria de imprensa do Governo.  






VEJA MAIS