• Paraíso17

Polícia Militar apreende mais de 33 toneladas de drogas em quatro meses

Da Redação / Imagens: PM/Divulgação
19/05/2017 11h40
No mesmo período do ano passado foram apreendidas 37,630 toneladas de drogas / Imagens: PM/Divulgação

A Polícia Militar do Estado de Mato Grosso do Sul divulgou nesta semana um balanço da apreensão de drogas dos quatros primeiros meses do ano de 2017. Essas ações fazem parte do programa “MS Mais Seguro”, que tem como objetivo de garantir a tranquilidade e a ordem pública.

 

De acordo com o levantamento, nos meses de janeiro a abril deste ano foram apreendidas pela PM de MS mais de 33,218 toneladas de drogas, dessas, 32,494 são de maconha. O restante das apreensões, divide-se em cocaína, pasta base, crack e haxixe.

 

Outro dado significativo no mesmo período foi a apreensão 295 mil pacotes de cigarro. Ao todo foram recuperados 824 veículos roubados e 316 armas de fogo foram apreendidas.

 

Além disso, foram efetuadas 1.291 prisões de foragidos da Justiça e outras 11.408 pessoas foram encaminhadas até as delegacias, resultando em 4.931 flagrantes.

 

Os números são resultados, principalmente, da  intensificação de ações de prevenção a partir das metas do programa “MS Mais Seguro”, que compactua com o atual plano de comando da Polícia Militar, que tem como objetivo garantir a segurança e a preservação da ordem pública.  

 

No mesmo período do ano passado foram apreendidas 37,630 toneladas de drogas, mostrando que a PM continua atuante dia-a-dia pra combater o tráfico de drogas.

 

O Comandante da PMMS, coronel Waldir Ribeiro Acosta, destacou “que todas essas ações refletem numa diminuição da criminalidade e a Polícia Militar continuará desenvolvendo ações planejadas para garantir sempre, a proteção da vida e patrimônio dos cidadãos sul-mato-grossenses”.

 

As apreensões de drogas geraram um prejuízo ao crime organizado de cerca de R$ 82.923.345,60, sendo que se os entorpecentes chegassem a ser comercializados renderiam três vezes mais aos traficantes  e se alastraria e destruindo diversas famílias. Com informações Sejusp






VEJA MAIS