• Paraíso17

Em nova fase da Lama Asfáltica, PF cumpre mandado de prisão contra Puccinelli

Prejuízo aos cofres públicos chega a R$ 235 milhões, aponta investigação da PF
Da Redação / Imagens: Jornal da Nova/Arquivo
14/11/2017 10h38
Ex-governador André Puccinelli / Imagens: Jornal da Nova/Arquivo

A quinta fase da Operação Lama Asfáltica da Polícia Federal, denominada Papiros de Lama, tem como alvo principal o ex-governador de Mato Grosso do Sul, André Puccinelli (PMDB). A Justiça Federal expediu mandado de prisão preventiva contra ele, cumprindo na manhã desta terça-feira (14). Também é alvo de mandado de prisão André Puccinelli Junior. Ambos foram abordados em suas casas por volta das 6h, e foram levados para a Superintendência de Polícia Federal, em Campo Grande. As informações são do Correio do Estado.

 

Leia também

>> Polícia Federal cumpre mandados na casa de André Puccinelli nesta terça

 

Desta vez, o objetivo da PF é combater esquema de desvio de recursos públicos por meio do direcionamento de licitações, superfaturamento de obras públicas, aquisição fictícia ou ilícita de produtos, financiamento de atividades privadas sem relação com atividade-fim de empresas estatais, concessão de créditos tributários para recebimento de propina e também corrupção de agentes públicos. O prejuízo causado ao erário pela organização criminosa é de aproximadamente R$ 235 milhões. Parte das provas que possibilitam esta operação foram levantadas por meios de acordo de delação premiada. 

 

Conforme a Polícia Federal, estão sendo cumpridos dois mandados de prisão preventiva, dois de prisão temporária, seis de condução coercitiva e 24 mandados de busca e apreensão. Além de Campo Grande, os alvos estão localizados nas cidades de Nioaque, Aquidauana e São Paulo (SP). 

 

A aquisição de pelo menos R$ 325 mil em obras jurídicas de Puccinelli Júnior por concessionária de serviço público de abastecimento de água e esgotamento sanitário inspirou os policiais federais a denominarem esta fase da operação de "Papiros de Lama". 

Prejuízo causado ao erário pela organização criminosa é de aproximadamente R$ 235 milhões - Foto: Valdenir Rezende/Correio do Estado






VEJA MAIS