• Paraíso17

PMA prende e autua pescadores passando arrastão com 500 metros de redes em rio

Da Redação / Imagens: PMA/Divulgação
14/04/2018 18h00

Policiais Militares Ambientais de Naviraí realizavam fiscalização fluvial no rio Amambai naquele município, e prenderam dois pescadores profissionais por pesca predatória. Eles foram surpreendidos quando estavam em uma embarcação nas proximidades da ponte da rodovia BR-487, conferindo redes (petrechos proibidos) de pesca que haviam armado no rio.

 

A PMA ordenou a retirada dos petrechos ilegais, que perfizeram um total de 10 redes de pesca, medindo 500 metros. Dois exemplares de peixes da espécie curimbatá que estavam mortos na embarcação foram apreendidos, juntamente com o barco e o motor de popa utilizados na pescaria ilegal, além de uma tarrafa (petrecho proibido) que estava na embarcação dos infratores. Cerca de 10 kg de peixes que estavam vivos presos às redes foram soltos no rio.

 

Os pescadores profissionais, um de 36 anos, residente em Umuarama (PR) e o outro de 33 anos, residente em uma propriedade à margem do rio Amambai em Naviraí, receberam voz de prisão e foram conduzidos, juntamente com o material apreendido, à Delegacia de Polícia Civil de Naviraí, onde eles foram autuados em flagrante por crime ambiental de pesca predatória. A pena para este crime é de um a três anos de prisão. Cada pescador foi multado administrativamente em R$ 1.900,00.

Prisões deste tipo são fundamentais para a prevenção à depredação de cardumes, pois se esses elementos tivessem mais tempo e encontrassem um cardume, o dizimariam rapidamente com essa quantidade de redes, petrecho que tem alto poder de captura.

 

Outra equipe da PMA já havia prendido outro pescador profissional também no rio Amambai, pescando com 1.000 metros de redes. Durante a mesma operação no rio Amambai, três paranaenses também foram autuados por pescar sem a licença e tiveram dois barcos, dois motores e petrechos de pesca apreendidos.






VEJA MAIS