• Paraíso17

Polícia mantém sigilo sobre investigação de corpo encontrado em fossa na Capital

A vítima teve um dos olhos arrancados, foi estuprada, teve seu órgão sexual cortado, além de ter o corpo queimado
Top Mídia News / Imagens: Reprodução/Facebook
09/07/2018 19h00

A Polícia Civil está mantendo em sigilo as investigações sobre o caso de um corpo encontrado em uma fossa de Campo Grande. Exames já teriam comprovado que o lavador de carros Ronei de Lima Valeijus de 40 anos, levou uma pancada na cabeça, que gerou fraturas no crânio, além disso, ele também teve um dos olhos, testículos e pênis arrancados.

 

|Leia também

| Corpo de homem castrado é encontrado dentro de poço na zona rural

 

A brutalidade do crime foi ainda pior, pois os exames mostram que um objeto teria sido introduzido no ânus da vítima e o corpo foi carbonizado, sendo desovado em seguida na fossa. 

 

O Delegado Tiago Macedo, titular da 4ª Delegacia de Polícia Civil da Capital, conversou com a equipe do “Top Mídia News”, mas prefere não informar detalhes sobre as investigações.

 

“Não estamos conversando sobre o caso para não atrapalhar o trabalho’’, disse. Quando interrogado se já existe um suspeito de ter cometido o crime, ele volta a dizer que prefere que "as investigações prossigam em sigilo absoluto".

 

Desaparecimento

Ronei estava desaparecido desde o dia 18 de junho deste ano. Seu veículo foi localizado semanas após o lavador de carros sumir, mas o cadáver só foi encontrado no dia cinco deste mês, em uma chácara localizada na região do Bairro Bom Jardim, próximo da MS-040, na Capital. O buraco estava fechado com um tambor e um pedaço de madeira.

 

Passagens pela polícia

A vítima já teve passagens policiais pelos crimes de violência doméstica e falta de permissão para dirigir. Ronei não era casado, mas tinha dois filhos menores de idade. O velório foi realizado com caixão fechado devido ao estado de decomposição do corpo.

 

A fossa possui quatro metros de profundidade, por 1 metro diâmetro. O caso foi registrado na 4ª Delegacia de Polícia Civil, onde segue sendo investigado.






VEJA MAIS