• Paraíso17

Tempo

*Flávia Pimenta
12/07/2018 17h00

De que tempo falamos?

Do seu ou do meu?

De quem?

O tempo do relógio?

O tempo de quem tem pressa?

Ou de quem tem calma?

 

Tempo de quem observa os movimentos?

Ou daqueles que se movimentam

Na esfera da terra, do sol e da lua?

Um tempo que passa

Que cura e que mata.

 

De que tempo tanto falamos?

O tempo de um não é o do outro.

Como se conciliam os encontros?

E o tempo sem compromisso?

Como se mede?

Com o que se compara?

 

O tempo de uma mãe com seu filho no parque?

Ou do homem passante, que os encara?

E no vislumbre sente

Como se fosse dele esse tempo.

Mas seu trabalho o aguarda e quem sabe

Ainda hoje beije seu filho acordado.

 

 O tempo da médica que atende ao chamado?

Que devora seu tempo para salvar,

Ou o tempo do outro que não a espera.

E morre?

O tempo da noiva que atrasa?

Ou do noivo que anseia?

Do idoso cheio de historias pra contar

Ao tempo de ninguém para ouvir.

 

As horas aceleradas do dia

Findam na noite vazia

Onde estrelas cintilam

O atido, o tempo ido,

Vivido ou nem nascido.

 

Somos escravos do tempo

Dos segundos já minutos,

Horas, dias, meses, anos.

Lutas e rugas, danos e dores,

Tempo que constrói que inicia,

Tempo que é fim e destino.

 

O tempo é o carcereiro de nós

Em celas dissimuladas de horas,

Que nos prendem num período infinito

De atos inalteráveis.

Da espera e da chegada.

Um tempo reconhecido precioso e raro,

Somente quando o relógio para.

 

*Escritora e autora de três livros em Nova Andradina; “No seu olhar, No seu sorriso e Como está a sua Fé”.






VEJA MAIS