• Paraíso17

Justiça do Trabalho bloqueia R$ 157 milhões para pagar trabalhadores em MS

Da Redação / Imagens: Arquivo/You Tube
21/09/2018 11h00
Sede do Consórcio da UFN3 / Imagens: Arquivo/You Tube

A Justiça do Trabalho de Mato Grosso do Sul bloqueou R$ 157 milhões de 36 empresas e um administrador de empresa para garantir o pagamento de cerca de 1.500 trabalhadores do Consórcio da UFN3, em Três Lagoas. As dívidas passam de R$ 20 milhões e decorrem de contratos de emprego encerrados a partir de 2012.

 

Os valores bloqueados excedem o total das dívidas porque os devedores negam que as empresas envolvidas formem um grupo econômico. Dessa forma, cada empresa precisa garantir o pagamento integral da execução.

 

Os valores foram bloqueados esta semana pelo Núcleo de Execuções e Pesquisa Patrimonial do Tribunal Regional do Trabalho da 24ª Região. O coordenador do núcleo, juiz Márcio Alexandre da Silva, explica que a atitude foi necessária porque os devedores estavam ocultando o patrimônio e quem os tinha usava medidas protelatórias para dificultar a execução da dívida. 

 

A decisão envolve 409 execuções da 1ª e 2ª Vara do Trabalho de Três Lagoas que foram unificadas em um processo. "A intenção é reduzir o tempo de espera dos credores para receber o direito reconhecido pela Justiça do Trabalho", garante o juiz.

 

Duas empresas impetraram mandados de segurança contra a decisão e, no início da tarde de ontem (20), o desembargador Francisco das Chagas Lima Filho concedeu liminar suspendendo o bloqueio de R$ 20 milhões de cada uma das impetrantes até o julgamento do recurso pelo Tribunal Pleno do TRT/MS.

 

Semana de Execução

O bloqueio faz parte das ações da 8ª Semana Nacional de Execução Trabalhista que está sendo realizada até hoje (21). O evento reúne todos os tribunais do trabalho do país numa tentativa de garantir o pagamento das dívidas trabalhistas pelos devedores.

 

Nos quatro primeiros dias, a Justiça do Trabalho de Mato Grosso do Sul arrecadou cerca de R$ 1,5 milhão em acordos e sentenças para o pagamento de dívidas trabalhistas, além do bloqueio de bens relacionado a UFN3. Nesta sexta-feira, também serão realizados leilões judiciais de bens penhorados como imóveis, terreno, veículo, máquinas e materiais de escritório. Mais informações podem ser obtidas clicando aqui.

 

Uma das estratégias utilizadas pela Justiça do Trabalho durante a Semana de Execução é a "Maratona de Pesquisa Patrimonial". Estão sendo realizados estudos e ações de investigação de bens junto aos sistemas informatizados, como Bacenjud, Renajud e Serasajud, que permitem a busca de valores e de bens em nome dos executados. A perspectiva é garantir a constrição de patrimônio do devedor para assegurar o pagamento da dívida.

 

Durante a Semana Nacional de Execução Trabalhista de 2017, a Justiça do Trabalho de Mato Grosso do Sul arrecadou R$ 2.928.513,43 que foram pagos aos trabalhadores. Em todo o país, foram arrecadados mais de R$ 819 milhões, no ano passado. Desde 2010, o Conselho Superior da Justiça do Trabalho (CSJT), em parceria com os 24 TRTs, realiza o esforço concentrado, voltado para a solução definitiva de processos na Justiça do Trabalho. Com TRT-MS

 






VEJA MAIS