• Paraíso17

Em Nova Andradina, furto reduz em setembro, mas roubo sobe

Outra ocorrência que chama atenção foi aumento da violência doméstica
Da Redação / Imagens: Jornal da Nova
12/10/2018 07h00
Viaturas em patrulhamento / Imagens: Jornal da Nova

Em setembro, Nova Andradina teve uma redução nos casos de furtos, em relação ao mês de agosto que foi vermelho para a segurança pública no município. No mês passado, conforme levantamento do Jornal da Nova junto ao SIGO (Sistema Integrado de Gestão Operacional), houve 68 registros de ocorrências de furto, sendo que em agosto chegou a 81 furtos.

 

Em junho desse ano, Nova Andradina registrou 57 casos de furto e, em julho 72. Já na questão de roubos, houve um aumento. Em junho não houve registro, em julho 3, agosto permaneceu 3 e em setembro 5 ocorrências. Neste início de mês já tem 2 registros.

 

Uma questão que está sendo reclamada pela comunidade local é o notável aumento de tráfico de drogas, resultando uma queda nas prisões. Em junho desse ano, foram oito prisões, em junho do ano passado 17. Em julho de 2018 seis e oito em julho de 2017.

 

Ainda comparando as prisões de tráfico, em agosto e setembro desse ano, foram seis e quatro prisões respectivamente, já ano passado, 13 em agosto e nove em setembro.

 

Mesmo com a implantação do Promuse (Programa Mulher Segura), o mês de setembro foi o mês com o maior número de registro em 2018, foram 17 casos de violência doméstica.

 

Viaturas nas ruas

O Jornal da Nova obteve a informação de fontes policiais, que as guarnições de Rádio Patrulha que trabalham dia-a-dia nas ruas fazendo o policiamento ostensivo e preventivo, tem a obrigação de fazer os trabalhos do Promuse, sendo que existe uma viatura e equipe específica para o tal serviço.

 

O mesmo está acontecendo com a Ronda Escolar, onde os policiais saem de suas rotinas para fazer o tal policiamento escolar.

Viatura da Ronda Escolar - Foto: Jornal da Nova

A maior dificuldade segundo os policiais militares locais, é a falta de efetivo. “Viatura tem, mas pessoas para enchê-las não. Às vezes existem ocorrências de um lado da cidade, trânsito e uma terceira poderá ficar sem atendimento naquele momento, pois falta policiais”, disse um policial militar que prefere o anonimato.






VEJA MAIS