• Paraíso17

Após difamarem meninas em redes sociais, 4 são encaminhados para a Delegacia de Polícia

Da Redação / Imagens: Jornal da Nova
10/01/2019 11h30

Na tarde de terça-feira (8), o SIG (Setor de Investigações Gerais) da Polícia Civil de Ribas do Rio Pardo prendeu dois maiores e dois adolescentes por praticarem crimes de difamação em grupos de WhatsApp e nas redes sociais.

 

Segundo apurado, uma adolescente teria criado um vídeo que denegria a imagem, a honra e a respeitabilidade de várias meninas da cidade. Além disso, outro adolescente teria compartilhado o vídeo em seu status do WhatsApp e nas redes sociais.

 

Já outros dois adultos, Rafael de 21 anos e Lucas de 18 anos, teriam publicado comentários ofensivos no Facebook, tudo relacionado ao vídeo das meninas. O primeiro adulto teria dito que todas as meninas do vídeo seriam marmitas e que quem criou o grupo deveria ganhar um prêmio, e o segundo indivíduo teria reforçado o comentário do amigo e falado que faria as meninas de “marmitex”.

 

O fato causou revolta das vítimas e grande repercussão na cidade, porque o vídeo foi parar em grupos e redes sociais de outros municípios, como Campo Grande, Água Clara, Três Lagoas, etc.

 

A Polícia Civil foi acionada pelas vítimas e prontamente iniciou diligências. A equipe de policiais civis conseguiu rapidamente identificar e conduzir todos os envolvidos para a Delegacia de Polícia.

 

Ao final de todo o procedimento, e depois de ouvir todos, o Delegado concluiu pela prisão em flagrante dos maiores, porém, em relação aos dois menores, concedeu a eles o direito de responderem em liberdade, tendo em vista o que consta no ECA (Estatuto da Criança e do Adolescente).

 

Os adultos, Rafael e Lucas, estão presos à disposição da Justiça, e os menores estão respondendo soltos.

 

Ao todo, os envolvidos responderão por 11 crimes de difamação, já que, até o momento, verificou-se que foram 11 vítimas de tais delitos.

 

Mais uma ação exitosa da Polícia Civil de Ribas, demonstrando que crimes praticados pela internet, grupos de WhatsApp e redes sociais não passarão despercebidos e os autores serão devidamente responsabilizados.






VEJA MAIS