• Paraíso17

Polícia diz que um assassino matou o outro e depois se suicidou em escola de Suzano

Ex-alunos de colégio mataram tio de um deles e depois invadiram escola, matando mais 7 pessoas. Motivo do ataque ainda não está claro
G1 / Imagens: Reprodução
13/03/2019 17h30
Guilherme Taucci Monteiro e Luiz Henrique de Castro, os assassinos de Suzano / Imagens: Reprodução

Um dos assassinos dos alunos e funcionários da Escola Estadual Professor Raul Brasil matou o comparsa e depois se matou, segundo informações da polícia. A investigação aponta que Guilherme Taucci Monteiro, de 17 anos, matou Luiz Henrique de Castro, de 25 anos, e depois se suicidou.

 

Leia também

|Sobe para dez o número de mortos no tiroteio em Escola de Suzano

|Tiroteio em escola de São Paulo deixa oito mortos, entre elas cinco crianças

 

Segundo a polícia, os dois tinham um pacto de que fariam o ataque e depois se matariam. E que andavam pesquisando na internet massacres em escolas dos Estados Unidos.

 

Além dos assassinos, outras oito pessoas morreram nos ataques na escola.

 

Assassinos são ex-alunos da escola

Os dois assassinos que mataram nesta quarta-feira (13) oito pessoas em Suzano (SP) eram ex-alunos da Escola Estadual Raul Brasil, alvo do ataque, disse o secretário de Segurança Pública de São Paulo, João Camilo Pires de Campos.

 

De acordo com ele, os cinco alunos assassinados tinham entre 15 e 17 anos de idade. Também foram mortos duas funcionárias do colégio e o proprietário de uma loja próximo ao local.

 

Segundo o secretário, ainda não se sabe a motivação do crime. "É a grande busca: qual foi a motivação dos antigos alunos", disse Foram feitas buscas na casa dos assassinos, e a polícia recolheu pertences dos dois.

 

Monteiro deixou a escola no ano passado após "problemas" – o secretário não foi claro se ele foi expulso ou se saiu por conta própria.

 

Os dois aparentemente foram recebidos por Marilena Ferreira Vieira Umezo, coordenadora pedagógica, afirmou o secretário de Segurança. Ela foi a primeira a ser atingida. Não se sabe se os assassinos chegaram à escola encapuzados ou se cobriram os rostos posteriormente.

 

A Polícia Militar chegou à escola oito minutos após o crime. Dentro do colégio, policiais ouviram barulho de tiros e encontraram os dois assassinos mortos, ainda de acordo com o secretário.

 

A investigação aponta que Guilherme Monteiro matou Henrique Castro e, em seguida, se suicidou. A polícia diz que os dois tinham um "pacto" segundo o qual cometeriam o crime e depois se suicidariam.

 

Os mortos são:

  • Marilena Ferreira Vieira Umezo, coordenadora pedagógica;
  • Eliana Regina de Oliveira Xavier, agente de organização escolar;
  • Pablo Henrique Rodrigues, aluno;
  • Cleiton Antonio Ribeiro, aluno;
  • Caio Oliveira, aluno;
  • Samuel Melquíades Silva de Oliveira, aluno;
  • Douglas Murilo Celestino, aluno;
  • Jorge Antônio de Moraes, comerciante, morto antes da entrada dos assassinos na escola; ele é tio de Guilherme, um dos assassinos.





VEJA MAIS