• Paraíso17

Mulher é encontrada morta e com as mão amarradas em Campo Grande

O suspeito do crime foi identificado apenas pelo apelido de "Biscoito" está foragido
Luis Gustavo, Da Redação / Imagens: Facebook/Reprodução
11/06/2019 14h30
Érica Aguilar Pereira de 39 anos, foi encontrada morta em cima da cama, com as mãos amarradas / Imagens: Facebook/Reprodução

Érica Aguilar Pereira de 39 anos, foi encontrada morta em cima da cama, com as mãos amarradas e parte das roupas abaixadas. O suspeito do crime foi identificado apenas pelo apelido de "Biscoito". O crime aconteceu na madrugada desta terça-feira (11), no Residencial Reinaldo Busaneli, no Ramez Tebet, na região do Jardim Campo Nobre, em Campo Grande.

 

Após assassinar a mulher, o homem ainda tentou matar a filha da vítima esganada. Quando a polícia chegou no apartamento, encontrou a energia elétrica cortada, provavelmente pelo suspeito. Não havia sinais de luta no cômodo. 

 
Os filhos de Érica, de 14 e 5 anos, estavam na residência. A adolescente foi quem acionou os vizinhos.

 

A garota contou à polícia que, sua mãe passava por problemas financeiros e ontem à noite enquanto ainda estava no trabalho ligou para o namorado, com quem havia reatado recentemente, pendido que o homem levasse ela e o irmão para lancharem. Os dois eram filhos apenas de Érica. Após o lanche, o suspeito deixou a adolescente e o irmão dela no condomínio, disse que ia tomar banho e depois retornaria para a casa da namorada.

 

Depois de algumas horas, o homem retornou ao condomínio. A adolescente e o irmão foram dormir numa cama de beliche sem notar nada de diferente. Já de madrugada, a menina acordou com o homem apertando seu pescoço e o irmão dela se debatendo ao lado.

 

Um vizinho, que não quis se identificar, contou que a briga começou por volta das 23h. “Às 2h50, a filha dela saiu desesperada tocando a campainha dos apartamentos gritando que a mãe estava morta. Ela contou que acordou com o suspeito tentando a estrangular, foi quando viu a mãe em cima da cama com as mãos amarradas e o lençol cheio de sangue”. 

 

O corpo da vítima foi encaminhado para o Imol (Instituto de Medicina e Odontologia Legal). O caso é investigado pela Deam (Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher). A polícia faz buscas pelo suspeito. De janeiro até agora, já foram contabilizados 18 feminicídios em Mato Grosso do Sul, conforme estatística da Sejusp (Secretaria de Estado de Justiça e Segurança Pública). Com Campo Grande News.






VEJA MAIS