• Paraíso17

Em Nova Andradina, manifestação em defesa da educação teve a adesão de todas as escolas estaduais

Duas escolas da rede municipal de Nova Andradina e de Nova Casa Verde também aderiram à paralisação, além de Ivinhema, Batayporã e Amandina
Simted / Imagens: Divulgação
13/08/2019 19h31

Educadores de Nova Andradina tomaram a avenida Moura Andrade na manhã desta terça-feira (13), em adesão à paralisação nacional em defesa pela educação.

 

A manifestação contou com professores universitários, estaduais e municipais da Cidade Sorriso, como também de Batayporã, Amandina e Ivinhema. A frente da organização está o Sindicato dos Trabalhadores em Educação e a direção da regional da Fetems, (Federação dos Trabalhadores em Educação de Mato Grosso do Sul).

 

A concentração do ato teve início às 8h30, em frente à Praça Brasil, região central. De lá, a categoria seguiu em passeata pela Avenida Antonio Joaquim de Moura Andrade até o retorno até a Praça. Em seguida, professores se reuniram na sede do Sindicato para acompanhar a repercussão da paralisação em todo o Estado de MS e no país.

 

Faixas e cartazes trazidos pelas mãos dos profissionais da educação ressaltaram os motivos que levaram a categoria às ruas contra o governo de Jair Bolsonaro e de Reinaldo Azambuja.

 

Já o panfleto entregue aos comerciantes e consumidores que passaram na avenida durante a passeata traz em destaque os nomes dos deputados federais de MS que votaram a favor da reforma da previdência e dos deputados estaduais que aprovaram a alteração na lei que autoriza a redução de salários dos professores convocados.

 

No carro de som, que acompanhou a passeata do começo ao fim, os manifestantes indicavam que o ato era contra os cortes de recursos da educação, contra os deputados que autorizaram a redução em 32% dos salários dos professores convocados na rede estadual, congelamento dos salários dos administrativos, contra a reforma da previdência, em defesa da educação pública, em defesa da gestão democrática da educação.

 

De acordo com Edson Granato, essa manifestação quer deixar um recado claro para nossos governantes tanto na esfera Federal quanto estadual.

 

“Não vamos aceitar corte de recursos na educação e nem a retirada de direitos do trabalhador. Vamos às ruas exigir respeito aos trabalhadores em educação. Também vamos continuar resistindo contra a reforma da previdência no Senado. Quem vota contra o trabalhador é inimigo da nação”, destacou.

 

O ato foi encerrado em frente ao semáforo da Praça do Museu, com panfletagem do material informativo aos condutores e pedestres que circulavam pelo local.

 

Professores nas ruas

Educadores de diversas áreas – desde a educação infantil, passando pelo ensino médio e chegando ao ensino superior – compuseram o grupo de quase 200 manifestantes que foram as ruas. Entre eles, educadores de todas as escolas da rede estadual de Nova Andradina e Nova Casa Verde), duas escolas da rede municipal (Moura Andrade e Luiz Claudio Josué – Casa Verde).



Galeria de Imagens / Imagens: Divulgação



Comunicar erro




VEJA MAIS