• Paraíso17

Cantora corumbaense se apresenta em festival literário em Campo Grande

Daniel Campos / Imagens: Divulgação
06/09/2019 09h00

Paula Mirhan volta à sua terra natal para mostrar seu mais novo trabalho: PETRÓLEO, primeiro CD solo da cantora corumbaense que vive no estado de São Paulo há 18 anos. O show de pré-lançamento do CD tem forte caráter cênico e performático. No palco, Paula Mirhan (voz), Rui Barossi (baixo elétrico e acústico) e André Bordinhon (guitarra e violão), artistas que além de compartilhar a paixão pela música, flertam com a linguagem teatral em suas trajetórias pessoais.

 

A cantora sul-mato-grossense é uma das atrações do FliSesc (Festa Literária Sesc MS), que acontece entre os dias 12 e 14 de setembro no Sesc Cultura, em Campo Grande.

 

Os arranjos musicais do novo trabalho foram todos pensados para uma formação de trio, buscando uma sonoridade que parte da MPB e mistura elementos do rock e do jazz contemporâneo. André, Rui e Paula se utilizam de pedais para manipular o som e criar efeitos do CD em tempo real. Esses efeitos tem a função de ampliaras diferentes sonoridades que podem compor o show, sobrepondo camadas sonoras, dando a possibilidade de poder ser, ora singelo e delicado, ora agressivo, cheio de informações. São camadas e mais camadas reveladas a cada canção, trazendo à tona uma avalanche de sentimentos e reflexões sobre o ódio. 

 

Além das músicas do CD, o show conta também com releituras que fazem parte da trajetória da cantora, como: Chalana, de Mário Zan, Noite Tortade Itamar Assumpção, Malandragem de Frejat e Cazuza, entre outras. Um show que traça fios entre a esfera pública e o foro íntimo, que faz ver, ouvir, cantar junto, segurar forte na cadeira e repensar as estruturas das nossas próprias emoções.

 

O tema desse trabalho

O combustível que deu início a esse projeto foi o ódio que, assim como outros afetos, faz parte de nossas relações diárias pessoais, coletivas e consequentemente políticas. Petróleo é a metáfora desse ódio que fica sendo fermentado debaixo de camadas e mais camadas e que, quando vem à tona é explosivo, mas também combustível. Como o ódio pode ser também gerador de movimentos transformadores numa sociedade? Paula não propõe uma ode ao ódio, mas sim a uma reflexão sobre ele e sobre as transformações que ele gerou e ainda geram nela como mulher e artista, em seu trabalho e vida nesse momento. Também é sobre como os afetos se transformam, se misturam e nos tornam seres complexos, seres políticos. 

 

Ficha técnica

Paula Mirhan - voz
Rui Barossi - baixo elétrico e contrabaixo acústico                                              
André Bordinhon- guitarra e violão

 

Mais informações 

Paula Mirhan   

Fone: (11) 98948-9229 



Comunicar erro




VEJA MAIS