PM de Nova Andradina nas escolas palestrando sobre a Polícia Comunitária


A questão da implantação da Polícia Comunitária, com o objetivo de desenvolver e aperfeiçoar mecanismos capazes de enfrentar a própria segurança pública dos Municípios, principalmente, em Nova Andradina, é algo novo para a segurança pública, podendo gerar polêmica e até certa resistência dos policiais adeptos ao sistema tradicional de policiamento ostensivo.

Hodiernamente, com o aumento populacional e, consequentemente, o da violência e da marginalidade, advindas de problemas sociais, como o desemprego, vem demonstrando que a forma usada para manutenção da ordem pública é pouco eficiente, senão, ineficaz, pois não atendem a expectativa da comunidade, já que não diminuiu a criminalidade, como se comprovou através de inúmeros estudos científicos desenvolvidos em inúmeros países, muito pelo contrário, a maneira operacional utilizada vem recebendo várias criticas tanto da sociedade como da mídia em geral.

Para tanto, em alguns países, diante da atribulada vida moderna, para tentar amenizar os problemas enfrentados pela segurança pública, estabeleceram novos modelos com a participação mais ativa da comunidade, o que demonstra que esta questão é mundial, uma vez que a ação policial vem sendo posta em discussão constantemente.

Em nosso país, a partir da década de 80 e início da década de 90, alguns Municípios, frente a tais mudanças mundiais, de maneira autônoma e voluntária, adotaram modelos distintos da Polícia Comunitária, apresentando excelentes resultados.

Assim, verifica-se que a Polícia Comunitária, será de grande utilidade para coibir a criminalidade e manter a ordem social dentro dos Municípios. Segundo estudos e pesquisas realizadas, desde que foi implantado o policiamento comunitário no Município de São Paulo, entre os anos de 1997 e 1999, caiu, vertiginosamente, o número de homicídios. Em relação a 1997, havia um crescimento de 24% (vinte e quatro por cento), enquanto que em 1999, o índice constatado foi de -3% (menos de três por cento).

Quanto ao crime de roubo, onde não havia a aplicação deste policiamento, ocorreu um aumento de 49% (quarenta e nove por cento), enquanto que nos locais onde havia bases comunitárias de policiamento, os roubos diminuirão substancialmente. Neste diapasão, a atuação policial deve ter a participação direta da comunidade, deixando de ser uma organização isolada desta e passando a integrar o dia a dia da população, em todos os momentos. Com isto, dar-se-á oportunidade para que a própria comunidade decida o que é prioritário em matéria de policiamento e repressão ao crime.

No Estado, existem 39 Conselhos Comunitários de Segurança de Mato Grosso do Sul em atividade, Nova Andradina esta entre estes conselhos.

A Polícia Comunitária, nada mais é que uma grande parceria entre a polícia e a comunidade, é uma atitude na qual aparece a serviço da sociedade, direcionando as competências do departamento policial para combater as origens ou reincidências dos crimes identificados pela comunidade.

A Polícia Militar de Nova Andradina está trabalhando neste sentido nas escolas e na comunidade, nas escolas os alunos tem palestras e como palestrantes os próprios policiais do 8º Batalhão da Polícia Militar, levando incentivo da qualidade de vida e o bem-estar social.

As orientações são repassadas aos alunos, sobre faixa de pedestres, o que os alunos não podem trazer para a escola, a educação social dentro e fora da escola, desde criança o aluno já sendo instruído da maneira correta de convívio com a sociedade.

Cobertura do Jornal da Nova

Quer ficar por dentro das principais notícias de Nova Andradina, região do Brasil e do mundo? Siga o Jornal da Nova nas redes sociais. Estamos no Twitter, no Facebook, no Instagram e no YouTube. Acompanhe!