Vinagre não alivia efeitos do gás lacrimogêneo e pode aumentar a irritação

Da Redação


Os protestos que tomaram conta do Brasil nos últimos dias fizeram surgir à ideia de que o vinagre é capaz de cortar os efeitos do gás lacrimogêneo. O boato se espalhou depois que manifestantes e jornalistas tiveram o produto apreendido pela polícia. No entanto, segundo o alergista e toxicologista Luiz Querino Caldas, tal propriedade do vinagre não passa de lenda urbana, segundo informações do jornal “Extra”.

“O vinagre é ácido acético. Vai causar irritação também”, alerta Caldas, professor de toxicologia médica da UFF – Universidade Federal Fluminense, em Niterói no Rio de Janeiro.

Gás lacrimogêneo e spray de pimenta, geralmente utilizados para dispersar multidões em protestos, agridem as mucosas dos olhos, do nariz e da boca, além do aparelho respiratório e da pele. Usar óculos de proteção, fechados nas laterais, e máscaras respiratórias com carvão ativado – capazes de reter gases e líquidos – é a única forma de evitar os efeitos tóxicos dos gases.

“A população não tem acesso a essas máscaras tão específicas. Se a pessoa entrou em contato com essas substâncias, deve ir para um local com ar puro. Lavar as áreas irritadas ajuda. Mas, como o gás é aspirado, o desconforto só vai passar quando o princípio ativo perder o efeito”, afirma o clínico geral Roberto Henrique Belo Pereira, que atuou no extinto Centro de Informação Toxicológica do Hospital do Fundão (UFRJ).

O gás lacrimogêneo, por entrar nas vias respiratórias e atingir os pulmões, é mais irritante para o organismo do que o spray de pimenta. De acordo com o toxicologista Luiz Querino Caldas, os efeitos internos da substância potencializam os externos. As reações mais comuns são falta de ar, aumento de secreção e tosse; lacrimejamento e irritação conjuntival; e lesões na pele, causadas por placas vermelhas e coceira.

Quando a irritação causada por spray de pimenta e gás lacrimogêneo persiste por dias, indica intoxicação pelas substâncias e requer atendimento médico.

Embora seja raro, a inalação de agentes químicos lacrimejantes pode resultar em pneumonite química. Os sintomas incluem falta de ar, chiado no peito e tosse. Pessoas que têm asma ou problemas respiratórios e alérgicos, em geral, são mais vulneráveis aos efeitos agressivos das substâncias.

Segundo o oftalmologista Renato Neves, diretor-presidente do Eye Care Hospital de Olhos, pode haver cegueira temporária logo após a exposição a gás lacrimogêneo e spray de pimenta. Já a exposição prolongada ou seguida pode levar à lesão e à perda parcial da visão.

Cobertura do Jornal da Nova

Quer ficar por dentro das principais notícias de Nova Andradina, região do Brasil e do mundo? Siga o Jornal da Nova nas redes sociais. Estamos no Twitter, no Facebook, no Instagram e no YouTube. Acompanhe!