Polícia de Angélica prende autor de estupro e roubo em menos de 12h

Da Redação


Uma equipe mista de policiais civis e militares de Angélica prendeu na manhã desta quinta-feira (30), o acusado de estupro e assalto Genivaldo Pereira de 30 anos, o “Geni”, natural e morador de Angélica, depois uma perseguição ininterrupta ao procurado, logo após suspeito de praticar crimes de estupor e roubo contra uma moradora de Angélica de 22 anos.

Segundo informações policiais, o crime teria ocorrido na noite desta quarta (29), por volta das 22h, onde a vítima estava assistindo televisão em sua residência, em companhia apenas de sua filha menor, quando a sua residência foi invadida pelo acusado, que tinha em punho um enxadão, com o qual ameaçava a vítima e a sua filha menor.

Ainda segundo a polícia, o criminoso que já é conhecido da polícia de Angélica, já tem várias passagens por outros diversos crimes, teria aproveitado daquele momento onde vítima estava sozinha com a filha, pois o seu marido havia saído para trabalhar.

O bandido teria levado a vítima para um terreno baldio próximo a residência onde teria praticado o crime e a agrediu com tapas e puxões de cabelos.

Da vítima, além do autor tê-la estuprado, ele levou um aparelho celular e certa quantia em dinheiro.

A reportagem do Jornal da Nova apurou que Genivaldo usou de muita violência contra a vítima, e ainda teria abusado dela na frente da criança, após o abuso e o roubo, ele queria levar as vestes da vítima e principalmente a calcinha. Como o caso aconteceu na noite de quarta, policiais civis e militares não cessaram as buscas e encontraram o autor no bairro Mutum por volta das 11h.

Após a prisão do acusado, a vítima foi chamada a comparecer na Delegacia de Polícia e acabou por reconhecendo Geni como o autor, que no momento delitivo, utilizava uma camiseta amarrada na cabeça para não ser reconhecido, mas mesmo assim, a vítima o reconheceu pela estatura, pelas vestes, além de outros detalhes especificados ditos por ela.

O delegado de Angélica, Dr. Bazílio de Oliveira que presidiu as investigações e ladrou o auto de prisão em flagrante delito, explicou ao Jornal da Nova que o crime de estupro, tem prisão prevista entre 6 a 10 anos de cadeia e o de roubo de 4 a 10 anos, mais se somando os dois, além dos agravantes, a pena pode ainda ser aumentada em muito, os quais somados vão deixar o criminoso preso por um longo período, havendo ainda, coleta de exames de DNA para ser confrontados com o sêmen colhido no momento do exame realizado na vítima, os quais serão todos submetidos a perícia técnica, para fazer parte do processo.

Cobertura do Jornal da Nova

Quer ficar por dentro das principais notícias de Nova Andradina, região do Brasil e do mundo? Siga o Jornal da Nova nas redes sociais. Estamos no Twitter, no Facebook, no Instagram e no YouTube. Acompanhe!