PC conclui inquérito policial que apura a morte do investigador da Derf

Da Redação


A Polícia Civil concluiu nesta última sexta-feira (7), o inquérito policial que apura a morte do investigador Dirceu Rodrigues dos Santos de 38 anos. Lotado na Delegacia Especializada de Repressão a Roubos e Furtos (Derf), o policial foi assassinado com três tiros na noite do dia 28 de janeiro, no bairro Campo Nobre, em Campo Grande, vítima de uma emboscada armada por integrantes de uma quadrilha especializada em roubos de joias.

>>Leia também

Policiais alvos de emboscada só iam checar; 7 pessoas já foram detidas
Investigador é morto e outro agredido durante investigação de furto de joias

Dirceu investigava de forma velada um furto de joia avaliado em R$ 80 mil, ocorrido em 7 de janeiro na Capital, junto com o amigo e também investigador Osmar Ferreira de 39 anos, quando foram reconhecidos e rendidos por 7 acusados, entre eles um adolescente de 15 anos. O policial foi executado com três tiros, sendo que dois atingiram a cabeça e um o abdômen.

Osmar conseguiu escapar dos bandidos, fugiu e pediu apoio aos policiais da Derf, unidade de lotação de ambos. Quando os policiais chegaram ao local dos fatos Dirceu já estava morto.

Cleber Ferreira Alves de 36 anos, Lúcia Helena Barbosa Gonçalves de 50 anos, Renato Ferreira Alves de 21 anos, Geovani de Oliveira Andrade de 18 anos, Alexandre Gonçalves Rocha de 19 anos e Alexandro Gonçalves Rocha de 21 anos, vulgo “Lexia”, todos acusados de envolvimento no crime foram presos em flagrante e tiveram as prisões e internação decretadas pela Justiça.

Todos os detalhes das investigações bem como imagens dos acusados, serão divulgados durante uma entrevista coletiva com os delegados responsáveis pelo caso, Dr. João Reis Belo e Dr. Jairo Mendes, que acontece nesta segunda (10), às 10h na sede da Delegacia Geral de Polícia Civil (DGPC), no Parque dos Poderes, em Campo Grande.

Cobertura do Jornal da Nova

Quer ficar por dentro das principais notícias de Nova Andradina, região do Brasil e do mundo? Siga o Jornal da Nova nas redes sociais. Estamos no Twitter, no Facebook, no Instagram e no YouTube. Acompanhe!