PT já reconhece desgaste com ''vaquinha'' a réus do mensalão

Vaquinha para condenados começa a trazer desgaste, reconhece PT


Por trás do debate jurídico na troca de cartas entre o senador petista Eduardo Suplicy e o ministro do Supremo Tribunal Federal Gilmar Mendes, há um forte componente político. O pano de fundo é o desdobramento do julgamento do mensalão.

Um grupo de ministros do STF não esconde mais a contrariedade com a decisão do PT de fazer um embate público para questionar a tramitação da ação penal 470. A estratégia da cúpula petista é clara: a de tentar minimizar o desgaste da imagem do partido, principalmente em ano eleitoral.

Foi dentro dessa estratégia, que os petistas decidiram fazer a "vaquinha" para pagar as multas dos condenados no mensalão: José Genoino, Delúbio Soares, José Dirceu e também João Paulo Cunha. Para alguns ministros do Supremo, esse gesto funcionou como uma espécie de contestação política doo julgamento.

O que fica claro é que o senador Eduardo Suplicy funcionou como uma espécie de instrumento pelo qual o ministro Gilmar Mendes quis mandar o seu recado de que a pena para os condenados é impessoal e intransferível.

Mas ao mesmo tempo, ao sugerir num primeiro momento que havia suspeitas de lavagem de dinheiro nessas doações, o ministro da Suprema Corte deixou o PT numa situação desconfortável. Tanto que o partido entrou com uma interpelação judicial para que o ministro esclareça suas manifestações.

Diante dessa queda de braço, uma coisa é certa: setores do PT já reconhecem que esse debate sobre a origem milionária desses recursos para pagar as multas dos condenados no mensalão trará um novo desgaste ao partido em ano de eleição presidencial.

Cobertura do Jornal da Nova

Quer ficar por dentro das principais notícias de Nova Andradina, região do Brasil e do mundo? Siga o Jornal da Nova nas redes sociais. Estamos no Twitter, no Facebook, no Instagram e no YouTube. Acompanhe!