Travestis roubaram joia de R$ 80 mil de empresário porque ele não pagou ''programa''

Midiamax


Alexsandro Gonçalves da Rocha de 19 anos, conhecido como Alexia, Jeferson da Silva Alves de 19 anos, conhecido como Darlene e Marcos da Silva Alves de 21 anos, conhecido como Mayara - Foto: Deco/Divulgação

Alexsandro Gonçalves da Rocha de 19 anos, conhecido como Alexia, Jeferson da Silva Alves de 19 anos, conhecido como Darlene e Marcos da Silva Alves de 21 anos, conhecido como Mayara, foram apresentados na manhã desta quarta-feira (18) na Deco (Delegacia Especializada de Combate ao Crime Organizado). Eles são acusados de roubar a corrente de ouro avaliada em R$ 80 mil, de um empresário de 28 anos.

O roubo da corrente desencadeou a ação do policial civil Dirceu Rodrigues dos Santos de 38 anos, que o levou à morte com três tiros no último dia 28 de janeiro. Ele foi à casa de uma das travestis e acabou assassinado.

>>Leia também
Investigador é morto e outro agredido durante investigação de furto de joias

De acordo com o delegado João Eduardo Davanço, titular da Deco, o empresário foi assaltado na rua Barão do Rio Branco esquina com a 13 de Maio, quando estacionou a caminhonete Toyota/Hilux Prata e foi abordado pelas travestis.

Segundo a versão dos acusados, o empresário se recusou a pagar por um programa de R$ 100 que praticou com Darlene e teve a corrente “penhorada”, até o pagamento do programa.

Vítima e autores contam versões diferentes sobre o roubo da joia - Foto: Paulo Ribas

“Independente da causa, o trio levou da vítima a corrente avaliada em R$ 80 mil, um relógio e mais R$ 70, mediante a utilização de uma faca”, fala o delegado. Segundo Davanço, Darlene e Mayara vão responder por roubo pelo emprego de arma e pelo concurso de pessoas.

Uma terceira pessoa envolvida, Jonas Gregório Anastácio, conhecido como Natália, iria comprar a joia roubada. Como não chegou a efetuar a compra, Natália não vai responder por receptação. O roubo da joia aconteceu no dia 7 de janeiro.

Morte do policial
O roubo da joia foi o que desencadeou a investigação que culminou na morte do policial Dirceu. O investigador e Osmar Ferreira de 39 anos, ambos lotados na Derf (Delegacia Especializada de Repressão a Roubos e Furtos), de acordo com a polícia, estava fazendo investigações no bairro Campo Nobre, para elucidar crime quando foram reconhecidos.

Os policiais acabaram rendidos por sete pessoas, entre elas um adolescente de 15 anos. Dirceu foi atingido por três tiros, sendo que dois disparos acertaram a cabeça e um o abdômen do policial. Osmar conseguiu escapar, fugiu e pediu apoio aos policiais da Derf. Quando o reforço chegou ao local dos fatos Dirceu já estava morto.

Cleber Ferreira Alves de 36 anos, Lúcia Helena Barbosa Gonçalves de 50 anos, Renato Ferreira Alves de 21 anos, Geovani de Oliveira Andrade de 18 anos, Alexandre Gonçalves Rocha de 19 anos, Alexsandro Gonçalves Rocha de 21 anos, e um adolescente de 15 anos, todos acusados de envolvimento na morte do policial civil foram presos em flagrante e tiveram as prisões e internação decretadas pela Justiça.

Cobertura do Jornal da Nova

Quer ficar por dentro das principais notícias de Nova Andradina, região do Brasil e do mundo? Siga o Jornal da Nova nas redes sociais. Estamos no Twitter, no Facebook, no Instagram e no YouTube. Acompanhe!