Polícia Civil deflagra através da Deco operação ''Pacto Contra o Crime''

Da Redação, com PC


A Polícia Civil de Mato Grosso do Sul, através de trabalho investigativo realizado pela Deco (Delegacia Especializada de Combate ao Crime Organizado), deflagrou às 6h da manhã desta quinta (15) a operação “Pacto Contra o Crime”, com o objetivo de reprimir ações criminosas organizadas de uma facção criminosa composta por presos e egressos do sistema penitenciário estadual, que vinham agindo no Estado e interagindo com membros da mesma organização em outras unidades da Federação.

Estão sendo cumpridos simultaneamente, em Campo Grande e também em Dourados, Três Lagoas, Mundo Novo, Corumbá e Dois Irmãos do Buriti, 99 ordens judiciais, sendo 85 mandados de prisão preventiva e 14 mandados de busca e apreensão, contra 99 integrantes de uma organização criminosa, identificada pela Deco, que instaurou Inquérito Policial para investigar o grupo criminoso.

Segundo o delegado da Deco, Dr. João Eduardo Davanço, a operação é resultado de dez meses de investigações realizadas pela Polícia Civil, através da Deco. “Durante esse longo período de investigações nós identificamos 99 integrantes da organização criminosa que age em Mato Grosso do Sul”, destaca Dr. Davanço.

A Deco identificou ainda a forma de obtenção de dinheiro para fomentar as atividades da organização criminosa e a forma como o bando age. “Os lucros vem através da prática de crimes de tráfico de drogas, associação para o tráfico, comércio ilegal de armas de fogo, roubos e homicídios, mediante o emprego de armas de fogo, todos cometidos a mando dos líderes das facções, a maioria deles presos, que dão ordens de dentro dos presídios, sendo estas executadas por integrantes que estão em liberdade, ou foragidos”, explica o Delegado.

Delegado destaca ainda que a maioria dos integrantes identificados no Inquérito Policial da DECO possuem antecedentes criminais pela prática de crimes graves, principalmente por tráfico de drogas, roubo, homicídio e porte ilegal de arma de fogo”, frisa Dr. Davanço.

Segundo o Delegado, os 99 criminosos foram indiciados por promoverem, constituírem e integrarem organização criminosa, crime este previsto no art. 2º da Lei 12.850/2013 (Lei de Combate ao Crime Organizado), com penas de reclusão, que variam de 3 a 8 anos, e multa, sem prejuízo das penas correspondentes às demais infrações penais praticadas, bem como o agravamento da pena pelo emprego de arma de fogo e para aqueles integrantes que exercem o comando da organização criminosa.

Participam da operação, as unidades da Polícia Civil subordinadas ao DPE (Departamento de Polícia Especializada), DPC (Departamento de Polícia da Capital), DPI (Departamento de Polícia do Interior), DIP (Departamento de Inteligência Policial) e Acadepol/MS (Academia de Polícia Civil Delegado Júlio César da Fonte Nogueira), bem como a CGPA (Coordenadoria Geral de Policiamento Aéreo) da Sejusp (Secretaria de Estado de Justiça e Segurança Pública e a Agepen (Agência Estadual de Administração do Sistema Penitenciário).

Cobertura do Jornal da Nova

Quer ficar por dentro das principais notícias de Nova Andradina, região do Brasil e do mundo? Siga o Jornal da Nova nas redes sociais. Estamos no Twitter, no Facebook, no Instagram e no YouTube. Acompanhe!