• Paraíso17

Pela 3ª vez PMA de Batayporã autua empresa de pulverização de agrotóxico por descumprimento de embargo

Empresa de aviação agrícola estava funcionando sem licença, diz polícia
Da Redação / Imagens: PMA/Divulgação
03/07/2020 13h30

Na tarde de ontem (2), policiais da PMA (Polícia Militar Ambiental) de Batayporã realizaram fiscalização no pátio de uma empresa de aviação agrícola, com sede em São Gabriel do Oeste, que estava instalada na Gleba Vitória no município de Ivinhema e a autuaram por descumprir embargo ocorrido no mês de fevereiro, à época, por funcionar naquele município sem a licença ambiental e por falta de cuidados em manipulação de produtos perigosos.

 

Leia também

|PMA de Batayporã embarga pela 2ª vez empresa de viação agrícola em Ivinhema

|PMA de Batayporã embarga atividade de empresa de pulverização de agrotóxico por irregularidades

 

Quando os policiais chegaram ontem para conferir cumprimento do embargo, verificaram o piloto realizando descontaminação de uma das aeronaves no pátio, inclusive, com derramamento de resíduos ao solo, que havia sido utilizada, mesmo com o embargo. A empresa, com sede em São Gabriel do Oeste, foi autuada administrativamente e multada em R$ 10 mil.

 

Os responsáveis também poderão responder por crime ambiental.  A pena é de um a quatro anos de reclusão, só pelo crime ambiental.

 

Do embargo

No mês de fevereiro, a empresa, com sede em São Gabriel do Oeste, prestadora de serviços tinha sido embargada à época, porque  havia montado suas instalações para prestação de serviço de pulverização de agrotóxicos com aeronave na Gleba Vitória e, durante vistoria ao empreendimento, os policiais constataram que o pátio para lavagem das aeronaves não possuía estação de tratamento dos restos de agrotóxicos das embalagens e, consequentemente a agua e resíduos eram lançados diretamente para uma fossa séptica sem tratamento.

 

No local vistoriado tinha sido localizado um tanque de combustível com 11 mil litros de querosene de aviação que estavam armazenados em desconformidade com a legislação vigente e não havia licença do órgão ambiental para trabalho naquela área. Diante das irregularidades o pátio para lavagem dos aviões foi embargado e a empresa teve suas atividades parcialmente suspensas, assim como o combustível armazenado sem licenciamento foi apreendido e a bomba de abastecimento lacrada.



Comunicar erro




VEJA MAIS