• Paraíso17

Fundador da Netflix diz que empresa quer expandir as produções no Brasil

CNN Brasil / Imagens: Reprodução/Netflix
11/09/2020 15h52
Série brasileira '3%' disponível no catálogo da Netflix / Imagens: Reprodução/Netflix

Os executivos da Netflix estão de olho no mercado brasileiro. Em entrevista exclusiva ao “CNN Brasil Business”, Reed Hastings, presidente e fundador da plataforma, afirmou que há espaço para mais séries produzidas no Brasil. A gigante do streaming tem 193 milhões de assinantes no mundo e em solo brasileiro ela alcança 10% deste total. 

 

Clique aqui para acessar a página do Jornal da Nova no Facebook

 

"Definitivamente está se expandindo o número de produções. Então, há mais pessoas trabalhando no Brasil, México e em muitos países do que antes, na criação de artes. Então há muitas histórias sendo contadas", afirmou.

 

Hastings está divulgando o lançamento de seu livro “A Regra é não ter Regras: A Netflix e a cultura da reinvenção”, feito em parceria com Erin Meyer. 

 

"Nós estamos focamos em produzir os melhores filmes e as melhores séries. Se você olhar para nossas séries japonesas The Naked Director, para série alemã Dark ou a série americana Hollywood ou muitas séries brasileiras, realmente estamos tentando investir nelas e fazê-las mais e mais satisfatórias", explicou Hastings. 

 

De poucas palavras, Hastings parece sorrir à toa: mesmo reafirmando a Netflix como uma empresa de entretenimento, o alcance tecnológico do streaming foi fundamental para que a companhia se descolasse do cenário de crise causado pela pandemia. "A Netflix é uma empresa de entretenimento, não de tecnologia”, acrescentou.

 

Desde março, quando a Covid-19 estimulou o isolamento social ao redor do mundo, as ações da Netflix tiveram alta de cerca de 40% – fazendo com que a empresa chegasse a um valor de mercado superior a US$ 230 bilhões. 

 

Para Hastings, o streaming não deve acabar com outras formas de entretenimento, como o cinema, por exemplo. 

 

"Na música, você pode ouvir o que quiser em casa, mas as pessoas continuam indo a show e curtindo ou cozinhando.  (...) Então, de novo, pessoas podem fazer tudo em casa e isso não significa que elas não podem também fazer isso fora de uma ocasião especial", pontuou.



Comunicar erro




VEJA MAIS