• Paraíso17

''Desse julgamento espero que realmente a Justiça seja feita'', desabafa mãe de vítimas de acidente

O traficante José Humberto Dantas Júnior, de 26 anos, natural de Dias d'Ávila (BA), será julgado na próxima terça-feira (20)
Da Redação / Imagens: Arquivo pessoal
15/10/2020 21h43
Professora Simone Silva com os filhos / Imagens: Arquivo pessoal

Na manhã desta quinta-feira (15), no Dia dos Professores, a professora Simone Silva, de 45 anos, recebeu a intimação do julgamento que acontecerá na próxima terça-feira (20), de José Humberto Dantas Júnior, de 26 anos, natural de Dias d'Ávila (BA), que matou seus filhos, Higor Silva Barbosa, de 11 anos e Heloá Glésia Gonçalves Nascimento, de 20 anos, em um trágico acidente de trânsito, provocado pelo traficante durante uma perseguição policial.  

 

Leia também

|MPE de Nova Andradina denuncia traficante que matou irmãos e lesionou mãe na Casa Verde

|Professora que perdeu filhos em acidente fala pela primeira vez: ''quero apenas Justiça''

|Traficante que matou irmãos atropelado em Casa Verde vai para presídio

|Traficante dirigia carro a 160 km por hora, quando atropelou mãe e filhos em Casa Verde

|Após perícia, corpos das vítimas foram encaminhados ao IML de Nova Andradina

|Viatura dos Bombeiros chega com professora no Hospital Regional

|Mãe e filhos são atropelados durante perseguição policial em Casa Verde

 

Simone também foi vítima do acidente e ficou em estado grave, onde passou por cirurgias e meses de recuperação. “Desde a hora que recebi essa intimação, estou relembrando os fatos e chorando”, diz a professora ao Jornal da Nova com a voz embargada.

 

A professora disse que ainda não conseguiu superar a perda dos filhos. “Desse julgamento espero que realmente a Justiça seja feita, que ele [réu] pague pelo que fez”, disse emocionada.

 

Como aconteceu em julgamentos anteriores, devido a pandemia do novo coronavírus (Covid-19), o réu, que está preso na Penitenciária Jair Ferreira de Carvalho em Campo Grande, será julgado por meio videoconferência, já os jurados sorteados deverão ser comunicados para que apenas eles compareçam ao Tribunal do Júri.

 

Todas as medidas de prevenção ao risco de contágio da doença, distanciamento social, álcool-gel, máscaras entre outras ações, já estão sendo adotadas desde o primeiro Júri.

 Traficante está preso na Penitenciária Jair Ferreira Carvalho em Campo Grande - Foto: Arquivo/Jornal da Nova

Fato

Conforme os autos, no dia em que ocorreu a tragédia, 28 de dezembro de 2019, uma equipe da PRF (Polícia Rodoviária Federal) estava em fiscalização de rotina em frente a unidade operacional, localizada a rodovia BR-267 km 129, quando tentou abordar o veículo Kia/Cerato, produto de crime e conduzido pelo denunciado que desobedeceu a ordem e empreendeu fuga em altíssima velocidade, sentido a zona urbana de Nova Casa Verde, distrito a 56 quilômetros de Nova Andradina.

 

Diante da fundada suspeita, os policiais iniciaram uma perseguição com dispositivos sonoros e luminosos por cerca de 4 km no encalço do veículo conduzido pelo José Humberto.

 

Ocorre que o suspeito, que não possuía CNH (Carteira Nacional de Habilitação), empregando velocidade excessiva — estimada em 131 km/h — desrespeitou as sinalizações verticais, horizontais e os sonorizadores da via e atravessou a rotatória que guarnece a entrada no distrito, atingindo as vítimas que lá se encontravam.

 

O impacto causou a morte instantânea irmãos Higor Silva Barbosa, de 11 anos e Heloá Glésia Gonçalves Nascimento, de 20 anos, cujos corpos foram arremessados a metros de distância, e provocou lesões severas na professora Simone Silva, de 44 anos, mãe das vítimas em óbito. Na sequência, o veículo conduzido pelo denunciado ainda invadiu o pátio e área de embarque e desembarque do Restaurante Gabrielly, localizado nas proximidades do local, apenas parando após colidir com um caminhão que se encontrava parado no estacionamento do estabelecimento.

 Veículo parou ao colidir em carreta - Foto: Arquivo/Jornal da Nova

Logo depois dos atropelamentos, a vítima Simone foi socorrida pelo Corpo de Bombeiros e levada até o Hospital Regional de Nova Andradina, onde recebeu os primeiros socorros, motivo pelo qual sua morte foi evitada. Nesse ínterim, os policiais rodoviários empreenderam diligências no veículo, logrando êxito em confirmar sua origem criminosa e, em encontrar 166,320 quilos de maconha.

 

Ouvido perante a autoridade policial, o traficante admitiu ter sido contratado pela quantia de R$ 20 mil para transportar o entorpecente da cidade de Dourados até Dias D'Ávila (BA). No mais, em relação ao acidente, ele afirmou ter assumido o risco, pois estava trafegando sem CNH e, em alta velocidade para fugir dos policiais e não ser preso.

 

O Jornal da Nova apurou que a denúncia do MPE (Ministério Público Estadual) foi por duplo homicídio qualificado, mas durante o decorrer do processo, o Tribunal de Justiça derrubou as qualificadoras.

 

O réu também responde por tentativa de homicídio, por receptação de veículo roubado e tráfico de drogas.

 

O julgamento será no Tribunal do Júri da Comarca de Nova Andradina, com início previsto para as 8h30.

Momento em que a professora chega no Hospital Regional - Foto: Arquivo/Jornal da Nova



Comunicar erro




VEJA MAIS