''Vamos fazer nossa parte para amenizar a conta de luz em MS'', diz Eduardo Riedel

Projeto que reduz ICMS da conta de luz é entregue pelo governador à ALMS
Da Redação / Imagens: Arquivo/Divulgação
14/09/2021 16h00
O secretário de Infraestrutura Eduardo Riedel / Imagens: Arquivo/Divulgação

O governador Reinaldo Azambuja entregou, nesta terça-feira (14), o Projeto de Lei que prevê a redução de 3% na alíquota do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), da conta de energia elétrica enquanto durar a bandeira de escassez hídrica, em Mato Grosso do Sul.

 

Criada pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), a nova bandeira faz o consumidor pagar R$ 14,20 extras a cada 100 quilowatts (kWh) consumidos e está em vigor desde o dia 1° de setembro.

 

Reinaldo já havia decidido por “abrir mão” do imposto incidente no diferencial da tarifa de energia elétrica na bandeira vermelha, mas após o novo bandeiramento, diversos segmentos da sociedade solicitaram a medida novamente. Com isso, o Estado abre mão de cerca de R$ 36 milhões, trimestralmente. “É o Estado abrindo mão de uma receita para que a gente possa ajudar a baratear a conta de energia aqui no Mato Grosso do Sul, e esse dinheiro ficar no bolso da população”, disse o governador.

 

Para o secretário de Infraestrutura, Eduardo Riedel, o governo age bem ao amenizar o impacto da crise energética sobre a sociedade: “Vamos fazer nossa parte para amenizar a conta de luz em MS”, afirmou.

 

Reinaldo se reuniu com o presidente da Assembleia Legislativa, deputado estadual Paulo Corrêa, para entregar a proposta e pediu urgência na tramitação. “O governador está mandando a isenção, com certeza a Assembleia não vai falhar com o povo do Mato Grosso do Sul, vamos todos votar. Projeto de suma importância para impactar menos no bolso da dona de casa, do cidadão sul-mato-grossense”, afirmou o parlamentar.

 

O projeto beneficiará todos os consumidores de energia elétrica do Estado, até abril de 2022, quando a cobrança da bandeira de escassez hídrica termina.



Comunicar erro




VEJA MAIS