Arrendatário é autuado por deixar égua morrer de fome e sede em Campo Grande

Veterinários voluntários estavam cuidando do animal, porém, a égua não resistiu e morreu
Luis Gustavo, Da Redação / Imagens: PMA/Divulgação
24/11/2021 14h30
Animal estava debilitado e veio a óbito antes de ser levado a uma unidade de tratamento / Imagens: PMA/Divulgação

Policiais da PMA (Polícia Militar Ambiental) de Campo Grande receberam denúncia, ontem (23), de maus-tratos a um equino, que estaria sem cuidados, exposto a intempéries, em meio a uma área de pastagem em uma chácara no bairro Nova Campo Grande.

 

A PMA foi ao local e verificou que o animal estava caído ao terreno e ao sol em meio à gramínea e não havia água e nem alimento disponível, que tivessem sido deixados pelo proprietário.

 

O equino, uma fêmea ainda jovem, estava doente, com feridas pelo corpo e agonizante e, felizmente, estava sendo tratado por médicos veterinários voluntários que foram avisados da situação de penúria do animal e tinham montado uma tenda e iniciado os atendimentos.

 

Eles ainda conseguiram levantá-lo. Os policiais apuraram com testemunhas, de que o proprietário, ao ser advertido sobre os maus-tratos ao animal pelos vizinhos, teria afirmado, que o deixasse lá, pois assim que o bicho morresse, ele o enterraria.

 

Diante da situação gravíssima do equino, a PMA autorizou os veterinários a levá-lo ao hospital veterinário da Universidade Federal, porém, quando o veículo para o transporte chegou ao local, a égua não havia resistido e ido a óbito.

 

A equipe localizou o infrator na sede da propriedade por ele arrendada, próxima do local de onde estava o animal. O homem de 65 anos, residente no Jardim Itatiaia, foi autuado administrativamente e foi multado em R$ 2 mil por maus-tratos.

 

O autuado também foi conduzido à DECAT (Delegacia de Polícia Civil de Crimes Ambientais) e responderá por crime ambiental de maus-tratos, com pena de três meses a um ano de detenção.



Comunicar erro




VEJA MAIS