RS tem alertas para deslizamentos e chuvas intensas neste domingo (12)

Em todo estado, os volumes de chuva podem ser consideráveis e há risco de agravamento da situação na região

CNN Brasil


O Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres (Cemaden) emitiu alerta de risco alto para deslizamentos nas regiões Noroeste, Centro-Ocidental, Nordeste, Sudeste, Sudoeste Rio-Grandense e Metropolitana de Porto Alegre, com atenção especial à Serra Gaúcha.

Já segundo o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), há riscos de chuvas intensas nas regiões citadas acima, além de um grande perigo para acumulados de chuvas, com chuva superior a 60 milímetros por hora ou acima de 100 milímetros por dia. O alerta é válido até às 18h deste domingo (12).

Mais de 2,15 milhões de pessoas afetadas no estado, de acordo com o balanço mais atualizado, divulgado pela Defesa Civil na tarde deste sábado (11). Isso equivale a cerca de um quinto de toda a população gaúcha.

O estado enfrenta sua maior catástrofe da história, na qual 136 pessoas morreram e outras 125 estão desaparecidas, segundo números atualizados nesse sábado. Outras 537 mil pessoas estão desalojadas e 806 estão feridos. Desde o início das operações de socorro, já foram resgatadas mais de 74,1 mil pessoas e 10,3 mil animais.

Como fica a previsão do tempo?

Segundo o Climatempo, uma nova área de baixa pressão vai manter as instabilidades em áreas do RS.

O tempo fica encoberto e há previsão de temporais para todo o estado.

Entre os alertas, estão:

  • Perigo extremo por chuva excessiva (mais de 100 milímetros) e ventania de mais de 90km/h no litoral norte do RS, serra gaúcha e noroeste do estado.
  • Perigo por chuva muito volumosa (mais de 50 milímetros) e ventania de mais de 90km/h em Porto Alegre, áreas centrais do RS e norte do estado.

Além de atenção para fortes pancadas de chuva com raios e rajadas de vento de 51 a 70 km/h na fronteira oeste e na região da campanha gaúcha.

Rio Guaíba

As fortes chuvas que devem atingir novamente o estado podem elevar o nível do Guaíba. Se confirmado o cenário, o rio pode retornar a marca dos 5 metros, de acordo com um relatório da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS).

Imagem de satélite mostra como ficou a cidade de Porto Alegre (RS) após as tempestades que atingiram a região - Foto: Divulgação/Nasa

Especialistas ouvidos pela “CNN”, não descartam que, em um cenário de chuva e ventos fortes, o nível do rio pode ficar próximo ao da máxima histórica registrada, de 5,33 metros.

Caso as chuvas não se confirmem, o relatório aponta que a tendência é de redução gradual mantendo-se acima de 4 metros por mais de uma semana. O estudo menciona ainda que, durante as enchentes históricas de 1941, levou-se 32 dias para a descida do nível do Guaíba até atingir os 3 metros, que é a cota de inundação.

Segundo a última medição, coletada nesse sábado (11), pela Secretaria Estadual do Meio Ambiente e Infraestrutura (SEMA), a cota atual do Guaíba é de 4,58 metros.

Apesar de já ter registrado baixa, o Guaíba ainda está mais de 2 metros acima da cota de inundação. O rio atingiu sua máxima histórica no início deste mês em meio às chuvas que assolam o estado, quando chegou a 5,33 metros.

A marca foi a maior registrada desde o início do monitoramento dos níveis do Guaíba, em 1939, superando a grande cheia de 1941, quando o rio chegou a 4,75 metros.

Cobertura do Jornal da Nova

Quer ficar por dentro das principais notícias de Nova Andradina, região do Brasil e do mundo? Siga o Jornal da Nova nas redes sociais. Estamos no Twitter, no Facebook, no Instagram e no YouTube. Acompanhe!


Comentários