Ibovespa tem um dos piores dias da história e cai 8,08%

Bolsa tem maior queda desde setembro de 2008. Analistas falam em podridão fiscal dos EUA e discutem nova ordem econômica mundial


Foi por pouco. Os negócios com ações no Brasil nesta segunda-feira atingiram um dos piores níveis de estresse da história da Bolsa.

 

O Ibovespa, principal índice da praça paulista, raspou no circuit breaker, um sistema acionado pela Bolsa para acalmar os investidores. Funciona assim: quando bate queda de 10%, os negócios são paralisados por 30 minutos, para que os ânimos se acalmem.

 

O Ibovespa chegou a cair 9,73%, cotado em 47.793 pontos. O nervosismo foi tal que provocou uma corrida ao site da Bovespa na internet, que não aguentou e caiu. No final do pregão, o índice reduziu levemente as perdas e fechou com baixa de 8,08%, cotado em 48.668 pontos, menor patamar desde 30 de abril de 2008 (47.289 pontos). A desvalorização diária foi a maior desde 29 de setembro de 2008, quando o Ibovespa perdeu 9,36%.

 

O último circuit breaker da Bolsa foi acionado em 22 de outubro de 2008, logo após o estouro da crise financeira, dia em que o Ibovespa fechou com queda de 10,18%. Naquele mês, a interrupção dos negócios aconteceu outras três vezes, nos dias 15, 10 e 6.

 

Desde 1997, o mecanismo foi acionado 14 vezes, segundo a BM&FBovespa.

 

Os motivos para tamanho barulho estão sendo digeridos ao longo do pregão, que começou com queda bem mais branda. Foi assim também na Europa e nos Estados Unidos, que abriram bem mais otimistas.

 

Em Nova York, o Nasdaq despencou 6,90% e o Dow Jones caiu 5,55%.

 

Os negócios pioraram tanto porque, nas avaliações que estão saindo do forno, há quem diga que a situação dos Estados Unidos agora é pior que em 2008, quando a crise que levou o Lehman Brothers à falência aterrorizou os mercados. Em relatório, por exemplo, o HSBC fala em podridão fiscal, bagunça orçamentária. “Agora podemos dizer com segurança que os EUA passam pela recessão mais profunda desde o período pós-guerra e, mais importante, com recuperação posterior mais rasa”, diz o banco. O PIB é muito menor do que na pré-crise, o desemprego é muito maior e, apesar do estímulo maciço via políticas monetária e fiscal, os mercados financeiros temem um duplo mergulho, continua.

 

Os especialistas dizem que a decisão da Standard and Poor's era amplamente esperada pelo mercado. Mas seu simbolismo está sendo considerado altamente importante, pois está servindo para levantar discussões sobre uma nova ordem econômica mundial.

 

O rebaixamento simboliza a redução geral da importância do Ocidente na economia global, diz o BNP Paribas em relatório desta segunda-feira. Para o banco, o corte reflete preocupações legístimas sobre a economia dos EUA, e não será bom para seu crescimento, tão necessário. Apesar disso, a casa acredita que o principal obstáculo foi superado. “Um próximo rebaixamento soberano será mais fácil.”

 

Também a despeito do nervosismo, a BlackRock, maior gestora global de fundos, acredita que, apesar do corte dos EUA, “a vasta maioria” dos investidores vai continuar a utilizar a curva de risco dos títulos norte-americanos (treasuries) como um padrão do mercado para julgar a qualidade do crédito global. Em relatório, a gestora diz ser importante lembrar que o Tesouro dos Estados Unidos permanece como o maior e mais líquido mercado de renda fixa do mundo, com um alto nível de transparência e poucas opções genuínas.

 

Como se não bastasse toda a discussão acerca do rebaixamento, a continuidade da crise da dívida europeia também estressa os investidores.

 

Duas decisões tomadas neste final de semana tentaram aliviar as tensões dos investidores, sem sucesso. O Banco Central Europeu (BCE) decidiu comprar títulos da Espanha e Itália, fato que chegou a fazer as bolsas desses países subirem, mas não por muito tempo. Além disso, em reunião ontem, os países do G-20, que reúne as maiores economias desenvolvidas e emergentes, garantiram que não vão mudar suas políticas de gestão de reservas. Por ser a moeda usada nas reservas mundiais, o dólar acaba negociando numa situação que parece paradoxal. Mesmo com os Estados Unidos ameaçados, os investidores seguem comprando a moeda, que terminou o dia em baixa de 1,96%.

 

Nos Estados Unidos, segundo a CNN, as bolsas mergulharam com os novos rebaixamentos feitos pela Standard & Poor's, dessa vez para as empresas. Normalmente, quando uma agência muda o rating de crédito de um país, precisa ajustar as classificações das companhias. As gigantes de hipotecas Fannie Mae e Freddie Mac, que estiveram no epicentro da crise de 2008, foram rebaixadas.

 

Na imprensa internacional, o noticiário trouxe temores sobre uma possível  “segunda-feira negra”, em uma alusão ao dia 19 de outubro de 1987, quando o índice Dow Jones, da Bolsa de Nova York, sofreu uma queda de 22%.

 

Em nota desta manhã, o Banco Fator diz que a semana será "de digestão difícil". Para a instituição, depois de cometerem grandes erros, as agências de rating parecem buscar prestígio perdido com o rebaixamento dos Estados Unidos. "A reação da China não é inteligente: chamar o déficit dos EUA de vício é como chamar o superávit chinês de incentivo ao vício", continua o banco.

 

De acordo com o Fator, a reação do G20 foi anunciar o óbvio: "ninguém vai vender e desvalorizar seu principal ativo de reserva". Sobre o BCE, a instituição diz que a atitude já foi vista na semana passada, com compra de papéis da Itália e Espanha. "Risco para bancos e soberanos está lá e não nos EUA (que, de resto, emitem os dólares para pagar suas contas)."

 

Para o banco, a posição dos EUA no centro do império não mudou: "eles ainda vão cobrar muito imposto do mundo pela senhoriagem de emitir dólares". Mesmo assim, a casa acredita que o país entrará em recessão, mesmo sem nota da S&P. As chances de isso não acontecer são pequenas e dependem de o Banco Central do País (se reúne amanhã) partir para uma terceira colocação de dinheiro no mercado.

 

Europa

 

As bolsas de valores da Europa voltaram a cair nesta segunda-feira. O índice DAX-30 da Bolsa de Valores de Frankfurt despencou 5,02%. O FTSE-100, em Londres, recuou 3,39% e o CAC-40, em Paris, caiu 4,68%.

 

Na Espanha e na Itália, o mercado chegou a reagir ao anúncio de compra de títulos dos dois países pelo Banco Central Europeu, e abriu o pregão desta segunda-feira em alta. Mas no fechamento os índices viraram. O FTSE MIB da Bolsa de Valores de Milão caiu 2,35%. Na Espanha, o IBEX 35 INDEX recuou 2,44%.

 

Bolsas asiáticas

 

Em Tóquio, o índice Nikkei 225 fechou no nível mais baixo desde 17 de março. O índice caiu 2,2% e terminou aos 9.097,56 pontos. Na sexta-feira, a bolsa já havia fechado em queda de 3,72%, ainda repercutindo o pessimismo sobre a crise da dívida dos Estados Unidos e a na Europa.

 

Em Hong Kong, a Bolsa estendeu as perdas pelo quinto pregão consecutivo e o índice Hang Seng teve queda de 2,2%, aos 20.490,57 pontos.

 

Na China, as Bolsas tiveram a pior pontuação em mais de um ano, com as preocupações de que as turbulências globais poderão atingir fortemente o país asiático. O índice Xangai Composto caiu 3,8% e terminou aos 2.526,82 pontos, o pior fechamento desde julho de 2010 e maior queda diária porcentual desde novembro. O índice Shenzhen Composto baixou 4,4% e encerrou aos 1.113,37 pontos.

 

O yuan se valorizou em relação ao dólar, após o rebaixamento da nota dos EUA. Isso fez com que o Banco Central chinês rebaixasse a taxa de paridade central dólar-yuan para o seu recorde histórico (de 6,4451 yuans para 6,4305 yuans).

 

Bolsas no mundo

 

A queda nos mercados acionários começou mais cedo, em bolsas de menor expressão, e antes do anpuncio do BCE. No pregão de domingo, o primeiro dia útil em Israel, a bolsa de valores local fechou em forte baixa de 6,99%. Mais cedo, no início do pregão, a bolsa de Israel entrou em circuit breaker (quando as operações são suspensas), ao abrir os negócios despencando 6,5%.

 

A Bolsa da Arábia Saudita, a primeira a operar após o rebaixamento dos EUA, na sexta-feira à noite, fechou o domingo praticamente estável, em leve alta de 0,08%. No sábado, o pregão pós-rebaixamento, o mercado local havia caído 5,4%.

(com agências)

Cobertura do Jornal da Nova

Quer ficar por dentro das principais notícias de Nova Andradina, região do Brasil e do mundo? Siga o Jornal da Nova nas redes sociais. Estamos no Twitter, no Facebook, no Instagram e no YouTube. Acompanhe!