Após denúncia da ESPN, presidente da confederação de vôlei renuncia

Uol Esportes


Em meio ao turbilhão de revelações feitas pela série "Dossiê Vôlei", da ESPN, sobre a existência de pagamento de comissões em contratos assinados diretamente com o Banco do Brasil por serviços de agenciamentos, intermediação e "assessoria na negociação de contratos de patrocínio da CBV", o presidente licenciado da Confederação Brasileira de Vôlei, Ary Graça, renunciou ao cargo nesta sexta.

A decisão foi anunciada em João Pessoa (PB), onde está sendo realizado congresso dos presidentes de federações estaduais de vôlei. Graça, porém, segue como presidente da FIVB (Federação Internacional de Voleibol), entidade que comanda desde 2012, quando sucedeu o chinês Jizhonmg Wei.

Em 27 de fevereiro, o ex-superintendente geral da entidade, Marcos Pina, entregou seu cargo também após as denúncias da ESPN. A saída foi um pedido de Walter Larangeiras, presidente de fato da entidade que comanda o voleibol no Brasil, já que Graça estava licenciado.

Em nova matéria nesta sexta-feira, o ESPN.com.br mostra que as despesas de marketing e produção da CBV tiveram um aumento de 2.241% entre 2008 e 2012, enquanto o aumento das receitas de patrocínio ficou bem abaixo disso, com 145% de crescimento.

Ary Graça assumiu a presidência da CBV em 1997. Em quadra, acumulou excelentes resultados, com medalhas de ouro olímpicas tanto no masculino quanto feminino, além de diversos títulos de Ligas Mundias e Copas do Mundo. Fora das quadras, porém, renunciou após a publicação das denúncias do "Dossiê Vôlei", do jornalista Lúcio de Castro.

Cobertura do Jornal da Nova

Quer ficar por dentro das principais notícias de Nova Andradina, região do Brasil e do mundo? Siga o Jornal da Nova nas redes sociais. Estamos no Twitter, no Facebook, no Instagram e no YouTube. Acompanhe!