Dracco apreende avião com bandeira boliviana preparado para o transporte de cocaína

Aeronave está avaliada em um R$ 1,2 milhão
Da Redação / Imagens: Polícia Civil/Divulgação
13/05/2022 17h00

Equipe do Dracco (Departamento de Repressão à Corrupção e ao Crime Organizado) apreendeu, um avião que seria usado para transportar cocaína em uma região de mata do Pantanal sul-mato-grossense. O avião foi avaliado em R$ 1,2 milhão.

 

Desde o último dia (6), o Departamento tem realizado diligências na região Paiaguá do Pantanal com o objetivo de localizar e apreender a aeronave com bandeira boliviana, sem prefixo aparente, que realizou voo e pouso não autorizado pelos órgãos de controle do espaço aéreo brasileiro.

 

Segundo o Dracco, no local dos fatos os operacionais constataram que os criminosos haviam retirado as asas da aeronave e que estavam tentando ocultar as evidências dos crimes perpetrados mediante a alteração da cena do crime à revelia das autoridades constituídas. Com o objetivo de assegurar a impunidade, o avião foi removido do ponto do pouso e dissimulado numa região de mata. Havia indícios de que os criminosos pretendiam resgatar e reparar clandestinamente o equipamento para seguir com as práticas ilícitas, mas o intento foi frustrado pelos policiais do Dracco.

 

“A missão policial foi concluída nesta quinta-feira (12), com a efetiva remoção do avião para a custódia do Dracco. A diligência contou com o suporte operacional dos investigadores e guincho da Delegacia Regional de Dourados, investigadores da 1ª Delegacia de Coxim e do caminhão do DRAP/DGPC/PCMS”, destacou a delegada Ana Claudia Medina.

 

As diligências investigativas seguem em sigilo para localizar e apreender as asas que foram retiradas da aeronave, identificar a origem e responsável pela aeronave boliviana sem prefixo aparente, apurar a natureza da carga transportada, identificar, localizar e prender o piloto e demais responsáveis pela aeronave e voo clandestino, além de outras circunstâncias de interesse criminal.



Comunicar erro




VEJA MAIS