Polícia Civil faz buscas na residência de advogado em Nova Andradina

Ação policial está relacionada a morte de Fernanda Ribeiro
Luis Gustavo, Da Redação / Imagens: Jornal da Nova
01/05/2021 15h38
Investigação levou a polícia até um dos suspeitos do caso / Imagens: Jornal da Nova

A Polícia Civil de Batayporã, com apoio da SIG (Seção de Investigações Gerais) da Delegacia de Nova Andradina e Perícias Criminal e Papiloscópica realizou uma busca e apreensão, na tarde deste sábado (1º), na casa do advogado Alexandre França Pessoa, no Jardim Imperial, em Nova Andradina.

 

Leia também

|De 10 depoimentos, delegado disse que já tem alguns suspeitos de participarem do assassinato de Fernanda Ribeiro

|Advogado presta depoimento na Delegacia em Batayporã

|Corpo encontrado degolado em Batayporã é de moradora em Nova Andradina

|Corpo de mulher degolada é encontrado no cascalho que liga Nova Andradina a Batayporã 

 

A busca está relacionada à morte de Fernanda Daniele de Paula Ribeiro dos Santos, de 36 anos, assassinada brutalmente no cascalho da MS-276, trecho que liga Nova Andradina a Batayporã. 

 

Alexandre, que já teve um relacionamento com a vítima desde setembro de 2019, estava em casa quando a polícia chegou, ele estava acompanhado pelo vice-presidente da 7ª Subseção OAB (Ordem dos Advogados do Brasil) Stenio Ferreira Parron.

 

Com mandado de busca e apreensão expedido pela Justiça, os investigadores e dois delegados, Filipe Davanso Mendonça de Batayporã que preside as investigações e da SIG Guilherme Scuculia Cezar apreenderam, vários objetos, entre eles o aparelho celular do advogado. Também foi apreendido o veículo Ford/Fusion pertencente investigado.

 

Todo material apreendido passará por perícia. O delegado Davanso disse que as investigações estão em curso e muita coisa não pode comentar para não atrapalhar a elucidação. 

 

Ao Jornal da Nova o advogado Stenio Ferreira Parron, disse que a OAB está acompanhando o caso com finalidade de atestar que todos os direitos e prerrogativas do advogado sejam preservados. "Isto porque em busca e apreensão podem existir documentos sigilosos, relativos a clientes do advogado. Por essa razão a OAB acompanha o ato", disse o vice-presidente da 7ª Subseção.



Galeria de Imagens / Imagens: Jornal da Nova



Comunicar erro




VEJA MAIS