Justiça anula processo que demitiu servidora por suposto envolvimento com perfil fake ''Maria do Bairro''

Cristina Kazumi Yonekura Morishita, que teve seu nome envolvido em meio à página de “fake news”

Luis Gustavo, Da Redação


O Tribunal de Justiça do Estado de Mato Grosso do Sul concedeu, uma decisão que visa corrigir uma injustiça praticada contra a servidora pública de Ivinhema, Cristina Kazumi Yonekura Morishita, que teve seu nome envolvido em meio à página de “fake news” na rede social Facebook, denominada 'Maria do Bairro'.

Leia também

| Residência da ''Maria do Bairro'' é alvejada a tiros em Ivinhema

| Prefeitura de Ivinhema afasta funcionária envolvida com perfil ''fake'' e apura vazamento de informações

SIG identifica perfil falso ''Maria do Bairro'' que espalhava ofensas contra servidores em Ivinhema

 

Cristina que é servidora pública do município de Ivinhema, ocupando cargo efetivo de farmacêutica, teve instaurada sindicância em seu desfavor para apuração de envolvimento em página de “fake news”, alimentada com postagens contrárias à atual gestão municipal, investigando-se suposto vazamento de informações sigilosas oriundas do setor de lotação da recorrente, que, abusiva e ilegalmente, resultou no afastamento preventivo de suas funções.

Houve a oitiva de 11 servidoras municipais, que atuam junto com Cristina no Laboratório Municipal, no CEM (Centro de Especialidades Médicas) e Secretaria de Saúde de Ivinhema. A ausência de indícios de má-conduta no ambiente profissional foi determinante para a decisão.

 Fachada da Prefeitura de Ivinhema - Foto: Prefeitura de Ivinhema/Divulgação

Lucimar Oliveira Viana foi interrogada e confessou ser a única administradora do perfil falso "Maria do Bairro". Em relação a Amanda e Matheus, narrou que nunca conversou com eles. No que tange à Cristina, narrou que já conversou esporadicamente, entretanto, nunca recebeu informações sensíveis da Cristina.

Cristina Kazumi disse que já conversou algumas vezes com o perfil falso, porém, de forma esporádica e que nunca passou informações sensíveis, valendo-se de sua função pública. Igualmente, após análise em seu aparelho celular, nada que a vinculasse a tal perfil foi encontrado. No mesmo sentido, ela deixou de ser indiciada, por não haver, a princípio, indícios de participação criminosa com o perfil investigado.

Desse modo, não havendo provas que evidenciem qualquer conduta ilegal praticada pela agravante, o Relatório Final da Comissão Processante, e o Parecer Jurídico da Procuradoria Jurídica Municipal que tinham decidido pela aplicação de pena de demissão de Cristina, agora determinaram o fim desta decisão.

A decisão judicial foi publicada nesta segunda-feira (17), no Tribunal de Justiça.

“Operação Montenegro”

Perfil falso no Facebook - Foto: Reprodução

Lucimar Viana é investigada pelos crimes de injúria e difamação, pois confessou à polícia a prática do crime, quando descoberta pelo perfil falso “Maria do Bairro”, que desde julho do ano passado, várias denúncias apontavam que estaria realizando postagens ofensivas contra a honra de servidores públicos municipais, um dos principais alvos era o prefeito Juliano Ferro e sua família.

Ao longo das diligências, investigadores da Polícia Civil conseguiram identificar três pessoas, pelo suposto envolvimento com o perfil falso. Uma das mulheres, que é servidora do município foi afastada de suas funções, a Cristina Kazumi Yonekura Morishita de Azevedo.

Lucimar Viana no dia da “Operação Montenegro”, disse que, de fato, seria responsável pelo perfil, mas na Delegacia de Polícia ficou em silêncio quanto à motivação.

Cobertura do Jornal da Nova

Quer ficar por dentro das principais notícias de Nova Andradina, região do Brasil e do mundo? Siga o Jornal da Nova nas redes sociais. Estamos no Twitter, no Facebook, no Instagram e no YouTube. Acompanhe!