Delegado indicia Alexandre Pessoa no crime de feminicídio

Declaração aconteceu nesta tarde em entrevista coletiva na Delegacia em Nova Andradina
Luis Gustavo, Da Redação / Imagens: Jornal da Nova
06/05/2021 16h46
Delegado Filipe Davanso Mendonça / Imagens: Jornal da Nova

Em uma coletiva de imprensa realizada na tarde desta quinta-feira (6), o delegado Filipe Davanso Mendonça, responsável pelo caso do assassinato de Fernanda Daniele de Paula Ribeiro dos Santos, de 36 anos, falou sobre o indiciamento do advogado Alexandre França Pessoa, de 42 anos, suspeito de cometer o crime. Ele foi enquadrado no feminicídio.

 

Leia também 

|Advogado passa mal em Delegacia e volta para unidade de saúde em Nova Andradina

|Advogado suspeito de assassinato tem alta em Dourados e retorna para Delegacia em Nova Andradina

|Advogado que passou a noite internado na Cassems é transferido para Dourados

|Advogado passa a noite internado na Cassems e aguarda vaga para transferência

|Advogado suspeito de assassinar Fernanda Ribeiro passa mal e é internado na Cassems em Nova Andradina

|Polícia Civil prende advogado suspeito de participação no assassinato de Fernanda Ribeiro

|Polícia Civil faz buscas na residência de advogado em Nova Andradina

|De 10 depoimentos, delegado disse que já tem alguns suspeitos de participarem do assassinato de Fernanda Ribeiro

|Advogado presta depoimento na Delegacia em Batayporã

|Delegado de Batayporã está ouvindo várias testemunhas sobre a morte de Fernanda Ribeiro

|Corpo encontrado degolado em Batayporã é de moradora em Nova Andradina

|Corpo de mulher degolada é encontrado no cascalho que liga Nova Andradina a Batayporã 

 

Davanso disse que provas testemunhais, análises do telefone celular do suspeito e do notebook da vítima, foram cruciais para a prisão temporária de 30 dias de Alexandre, pois há conteúdos nos aparelhos que possibilitaram elementos de ligação com o fato criminoso.

 

Ele foi indiciado formalmente nesta quinta-feira (6), na Delegacia em Nova Andradina. Como noticiado anteriormente pelo Jornal da Nova, Alexandre não quis falar no inquérito e usou o direito constitucional de permanecer calado e vai se manifestar somente em juízo.

 

Ainda de acordo com o Delegado, as internações de Alexandre não atrapalham a apuração do fato. Outras pessoas já foram ouvidas, no total até o momento foram 16 e as diligências continuam.

 Alexandre Pessoa passou mal na Delegacia e está internado na Cassems - Foto: Jornal da Nova

O delegado busca elucidar a motivação do crime e apurar se há envolvimento de outras pessoas, mas por ora, somente Alexandre está preso e indiciado como suspeito do crime.

 

Foram captadas imagens de segurança e perícia no veículo, celular e objetos apreendidos em sua residência no último sábado (1º). O suspeito foi preso na manhã de domingo (2), passou mal na Delegacia de Polícia, foi atendido no Hospital Cassems em Nova Andradina, transferido no dia seguinte para Dourados, onde realizou exames e ontem retornou à Nova Andradina.

 

Hoje pela manhã Alexandre teve outra crise hipertensa e dores no peito, e foi levado ao Cassems pela equipe do Samu 192 e escoltado pela Polícia Militar. Ele permanece internado em observação, sob escolta da Polícia Militar.

 

Está programado sua transferência para o presídio militar em Campo Grande, assim que tiver alta médica.

 

Além da Delegacia de Batayporã, estão auxiliando nas investigações a equipe da SIG (Seção de Investigações Gerais) da 1ª Delegacia de Polícia Civil em Nova Andradina, Perícia Criminal e Papiloscópica.

 

O que diz a defesa

O advogado de defesa Júlio César Evangelista - Foto: Jornal da Nova

O advogado Júlio César Evangelista, disse ao Jornal da Nova que as provas apresentadas no relatório policial são fracas e não tem cabimento o pedido de prisão temporária de Alexandre Pessoa. “Ele não tem histórico de pessoa violenta, não tem sequer um registro policial de ameaça ou de agressão e estava a todo o tempo à disposição para prestar quaisquer esclarecimentos”, disse a defesa.

 

Segundo Júlio César, o escritório dele entrou com mais um HC (Habeas Corpus) no STJ (Superior Tribunal de Justiça), após o TJMS (Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul) negar liminar na última segunda-feira (3).



Comunicar erro




VEJA MAIS