Fernanda Ribeiro pressentia sua morte, diz testemunha em interrogatório

Vítima, de 36 anos, foi morta degolada no dia 28 de abril em Batayporã
Da Redação / Imagens: Redes sociais
05/06/2021 22h16
Fernanda Daniele de Paula Ribeiro dos Santos, de 36 anos / Imagens: Redes sociais

“Se eu aparecer morta, você de um recado a meu pai, não fui eu quem me matei, quem me matou foi o gordo”, referindo-se a Alexandre Pessoa, pois era assim que ela [Fernanda] o chamava. Essa frase o Jornal da Nova apurou que foi de uma testemunha, de 61 anos, que foi inserida no Inquérito Policial de Alexandre França Pessoa, de 42 anos, suspeito de matar Fernanda Daniele de Paula Ribeiro dos Santos, de 36 anos.

 

Leia também

|Justiça mantém preso advogado acusado de feminício em Batayporã

|Vídeo: Inquérito Policial conclui que Alexandre Pessoa matou Fernanda Ribeiro sozinho, diz delegado

|Advogado acusado de matar Fernanda Ribeiro tem alta médica e vai para Presídio Militar em Campo Grande

|Há uma semana preso, advogado acusado de matar Fernanda Ribeiro não dormiu 24h em cela de prisão

|STJ nega habeas corpus a Alexandre Pessoa e ele continua preso temporariamente

|Delegado indicia Alexandre Pessoa no crime de feminicídio

|Advogado passa mal em Delegacia e volta para unidade de saúde em Nova Andradina

|Advogado suspeito de assassinato tem alta em Dourados e retorna para Delegacia em Nova Andradina

|Advogado que passou a noite internado na Cassems é transferido para Dourados

|Advogado passa a noite internado na Cassems e aguarda vaga para transferência

|Advogado suspeito de assassinar Fernanda Ribeiro passa mal e é internado na Cassems em Nova Andradina

|Polícia Civil prende advogado suspeito de participação no assassinato de Fernanda Ribeiro

|Polícia Civil faz buscas na residência de advogado em Nova Andradina

|De 10 depoimentos, delegado disse que já tem alguns suspeitos de participarem do assassinato de Fernanda Ribeiro

|Advogado presta depoimento na Delegacia em Batayporã

|Delegado de Batayporã está ouvindo várias testemunhas sobre a morte de Fernanda Ribeiro

|Corpo encontrado degolado em Batayporã é de moradora em Nova Andradina

|Corpo de mulher degolada é encontrado no cascalho que liga Nova Andradina a Batayporã 

 

Em depoimento de várias pessoas e testemunhas à polícia, Fernanda Ribeiro pressentia a sua morte, até chegou a falar para amigos e familiares, que recebia ameaças constantes do namorado Alexandre Pessoa.

 

Nas oitivas também ficaram registrados os desentendimentos entre os dois e de uma relação conturbada e de ciúmes, devido a ex-mulher de Alexandre estar morando no mesmo teto com ele. Testemunhas contaram que Fernanda Ribeiro comentava que iria se casar com Alexandre Pessoa, mas tinha como empecilho a ex do advogado.

 

Em um dos depoimentos, Fernanda teria relatado a uma testemunha, de 48 anos, que estaria se sentindo ameaçada pela ex-mulher de Alexandre, entretanto, ela não teria registrado ocorrência policial.

 Fernanda e Alexandre - Foto: Redes sociais

Para essa mesma testemunha, a vítima ainda teria confidenciado que tinha conhecimento de multa coisa errada de Alexandre, e, por este motivo, que ela dizia a ele que, caso ele [Alexandre] a largasse, ela [Fernanda] iria divulgar e por este motivo, eles sempre brigavam.

 

Fernanda ainda teria dito que utilizava como chantagem para não se separar do advogado, o fato de divulgar o segredo que ela sabia de ‘Alexandre’.

 

Para a testemunha, de 61 anos, Fernanda teria dito que, caso morresse, desejaria uma rosa vermelha. A depoente tentou comprar uma rosa vermelha para o velório da vítima, mas não teria encontrado.

 

Conforme restou apurado na investigação, a vítima Fernanda Ribeiro e o suspeito possuíam um relacionamento amoroso – namoro –, o qual era muito conturbado e, no dia em que Fernanda foi morta, dia 28 de abril, teriam marcado de se encontrar, no início da noite, fato, este, comprovado tanto através dos elementos contidos no telefone celular do investigado quanto em outras imagens de câmeras de segurança do entorno da cidade e oitiva de testemunhas.

 Local onde o corpo da vítima foi encontrado - Foto: Arquivo/Luis Gustavo/Jornal da Nova

O corpo da vítima foi encontrado degolado na manhã de quinta-feira (29) de abril, na estrada cascalhada MS-276, trecho que liga Nova Andradina a Batayporã.



Comunicar erro




VEJA MAIS